fbpx

Saiba quem foi J.B. de Carvalho, o Rei da Macumba

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Se na nossa música hoje artistas como Mariene de Castro, Juçara Marçal, Maria Bethânia, Alessandra Leão, Luedji Luna, Josyara , entre tantas outras trazem a dimensão cultural da religiosidade afro-brasileira para suas letras e melodias, uma das contribuições para que isso fosse possível foi, sem dúvida, do cantor e compositor João Paulo Batista de Carvalho. Inclusive, fizemos uma entrevista com Alessandra Leão sobre o disco “Macumbas e Catimbós”, que você pode ler clicando aqui.

J.B. de Carvalho, como preferia ser chamado, foi um dos artistas responsáveis por apresentar músicas de terreiro nas rádios do Brasil lá na década de 1930, sendo, inclusive, repreendido pela polícia por conta disso.

Saiba um pouco mais sobre os 120 anos desse artista imprescindível da nossa música:

Há 120 anos nascia, no Rio de Janeiro, João Paulo Batista de Carvalho, ou J.B. de Carvalho. Ao longo de sua extensa carreira, de 1931 a 1979, o “batuqueiro famoso”, como foi apelidado, se destacou pela gravação de pontos de macumba, sambas, marchinhas, batuques e jongos.

Entre 1931 e 1941, comandou o Conjunto Tupy, formado em sua maioria por artistas negros que se apresentavam nos cineteatros, bailes, clubes e estações de rádio, como a extinta Rádio Cajuti.

J.B de Carvalho, pioneiro por apresentar músicas de terreiro nas rádios cariocas, foi repreendido diversas vezes pela polícia, que recriminava as expressões artísticas e religiosas afro-brasileiras.

Em 2020, foi lançado o álbum “São Jorge, o Rei do Terreiro”, pelo selo Central Park Records, reunindo 12 grandes composições de J.B de Carvalho, como “Beira Mar”, “Caboclo da Cachoeira”, entre outras.

Ouça “Beira Mar”, de J.B. de Carvalho:

A vida e obra deste, que foi um dos maiores cantores e compositores de músicas de terreiro e samba da nossa cultura, ainda é um campo a ser explorado. A história de J.B de Carvalho é pouco documentada e existem escassos registros visuais de seu trabalho. 

Ouça aqui a nossa playlist “Macumba Popular Brasileira”:

Para escutar a obra de J.B. de Carvalho, acesse o site discografiabrasileira.com.br, que contem 220 fonogramas deste grande artista da música brasileira. Ouça também aqui o programa “Estúdio F”, episódio 414, que fez uma edição especial dedicada à vida e obra de J.B. de Carvalho.

A dissertação “‘Sou da macumba e no feitiço não tenho rival’ – A música negra de J.B. de Carvalho e do Conjunto Tupy (1931-1941)”, de Leon Araújo, também conta a história do “batuqueiro famoso” com o Conjunto Tupy. Acesse aqui para ler mais.

#NosEncontramosNaMúsica