fbpx

Quando Di Cavalcanti ilustrou Noel Rosa

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Sambas de Noel Rosa, gravado por Aracy de Almeida, pode ser considerado um dos primeiros discos conceituais lançados no Brasil. Até 1951, antes do lançamento do primeiro LP brasileiro, o Carnaval in Longing Playing, as músicas eram comercializadas no formato de 78 rotações, que tinham espaço para uma faixa de cada lado. A maioria dos discos em 78 rpm eram geralmente vendidos acoplados em envelopes que, geralmente, apenas identificavam a marca de seu fabricante. Já ‘Sambas de Noel Rosa’, que foi lançado em 1950 em três discos de 78 rpm e em LP 10¨ em 1954, trazia como capa uma pintura de Di Cavalcanti, um dos maiores nomes do Modernismo no Brasil. Um verdadeiro luxo pra época. 

Capa: Di Cavalcanti

Di Cavalcanti era amigo da Aracy e foi convidado para ilustrar a capa do disco. Nela, retrata um homem empunhando um violão, com traço simples e estilizado, marca da linguagem gráfica de Di. Assim com parte da obra do artista carioca, a pintura da capa dialoga diretamente com a fase cubista de Pablo Picasso, marcada pela geometrização da forma.   

Além da capa de Di, o que torna o disco conceitual é o fato de trazer a cantora Aracy de Almeida interpretando, do começo ao fim, apenas canções compostas por Noel Rosa, um dos maiores compositores do gênero. O disco resgatou a importância de Noel, que tinha caído no ostracismo depois de sua morte, em 1937. Segundo demonstram seus biógrafos João Máximo e Carlos Didier, pouca gente gravou Noel na década de 1940. Foi a partir dos anos 1950 que a sua obra passa a ser mais difundida pelo país e Aracy de Almeida, a ser conhecida como a sua maior intérprete.

Ouça:

Texto publicado originalmente no Instagram @casanaturamusical no dia 15/04/2020.