fbpx

Wilson das Neves 85 anos: dicas para relembrar do grande baterista do samba

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

No dia 14.06.2021, Wilson das Neves (1936 – 2017), cantor, compositor e instrumentista, que ficou conhecido por ser um dos mais célebres bateristas do samba, completaria 85 anos. Nascido no Rio de Janeiro, participou de cerca de 800 discos ao lado de grandes nomes da música, como Elza Soares, Roberto Carlos, Elis Regina e Chico Buarque.

Aos 60 anos, lançou o aclamado álbum “O Som Sagrado de Wilson das Neves” (1996), em que apresentou a clássica “O Samba é Meu Dom”, em parceria com Paulo César Pinheiro, cujo título daria o nome ao documentário dirigido por Cristiano Abud, lançado postumamente, em 2018. Com quatorze composições de Das Neves, das quais treze em parceria com Paulo César Pinheiro e uma em parceria com Chico Buarque (“Grande Hotel”), o disco recebeu o Prêmio Sharp, consolidando Wilson das Neves como um dos nomes mais relevantes do nosso samba. O que foi confirmado pelos trabalhos seguintes, “Brasão de Orfeu” (2004), “Pra gente fazer mais um samba” (2010) e “Se me chamar, ô sorte” (2013), assim como um sem número de parcerias que realizou até o fim de sua vida, bem como as homenagens póstumas, como a prestada por Emicida em “Quem Tem Um Amigo (Tem Tudo)”, no disco AmarElo (2019).

Viva #WilsonDasNeves!

Álbum: “Elza Soares – Baterista: Wilson das Neves” (1968)

Álbum: “O Som Quente É O Das Neves” (1976)


“Grande Hotel (1996)”, Chico Buarque e Wilson das Neves


Álbum: “O Som Sagrado de Wilson das Neves” (1996)


Álbum: “Brasão de Orfeu” (2004)


Álbum: “Pra Gente Fazer Mais Um Samba” (2010)


Álbum: “Se Me Chamar, Ô Sorte” (2013)


Documentário: “O Samba É Meu Dom – Wilson das Neves” (2018), Disponível no Globoplay. Direção: Cristiano Abud

“Quem Tem Um Amigo (Tem Tudo)” (2019), Emicida part. Zeca Pagodinho, Tokyo Ska Paradise Orchestra e Prettos